domingo, 25 de fevereiro de 2018

Mudança de Emprego: mude, e se der medo, vá com medo mesmo!

E aí pessoal, tudo bem?

Ansiosa com o fechamento do mês, com as minhas férias que jajá chegarão, vamos em frente! Hoje o  post é para falar sobre a mudança de emprego que fiz. É um post longo, quis detalhar tudo que pensei, fiz e concretizei nessa decisão para ajudá-los a pensarem também.Então vamos lá:

1. Contexto: por que mudar?
Minha ex-empresa foi um local que me deu muitas alegrias. Foi nela que eu pude crescer muito na minha carreira, tanto de cargo, quanto de salário. Eu sou grata pela passagem que fiz nela. Infelizmente no último ano houveram algumas mudanças que me fizeram pensar. Algumas delas: resultados cada vez piores, mediocridade com as pessoas (por conta dos resultados piores), pressão absurda e descontrolada na velocidade e entrega (trabalhos aos feriados e finais de semana), reestruturações e demissões em massa cada vez mais comuns, e desrespeitos por parte da liderança. Esse último ponto é o que mais me levou a tomar a decisão de sair.

Um ser humano pode aguentar uma fase ruim, mas no caso da minha antiga empresa isso estava se tornando algo permanente. Corte de pessoas da equipe (e eu pensando quando chegaria a minha vez), desrespeito com o ser humano (isso pega muito para mim) e zero possibilidade de melhoria a curto prazo, são coisas que me fizeram decidir: eu preciso sair.

Eu sou capaz de aguentar alto volume de trabalho, de abrir mão da minha vida pessoal pela profissional (isso está errado, mas faço), e de me dedicar sempre acima do esperado. Mas precisamos definir o que é um "basta" para nós. O meu "basta" passa por desrespeito, falta de reconhecimento e insegurança sobre o meu futuro na empresa.

E foi por volta de Julho do ano passado que eu decidi mudar.

2. Como se preparar para mudar
Eu não anunciei isso internamente. Eu negava todas as perguntas sobre eu estar fazendo entrevistas. Sou a favor da sinceridade, mas na empresa que eu estava isso só iria fazer as pessoas já não contarem comigo e não era isso que eu queria que acontecesse, afinal, eu não tinha já um novo emprego.

Atualizei meu Linkedin, comecei a contar para amigos e colegas que eu estava aberta a novas oportunidades e comecei a verificar quase que diariamente sites de emprego. Atendi headhunters, iniciei uma batelada de entrevistas.

Essa etapa é sempre a mais delicada, pois você precisa ser hábil o suficiente para fazer as entrevistas sem que seu chefe perceba. Um rol de desculpas precisa ser levantado para que você as utilize se for necessário sair no meio do horário do trabalho para fazer as entrevistas. Seguem algumas sugestões:
1. Médico
2. Perdi horário
3. Carro quebrou
4. Almoço com amigo que veio de outro país
5. Algum familiar com algum problema que você precisa ajudar
6. Home Office
7. Problema no transporte público
8. Alguém que você terá que atender em casa (NET, Telefonica, sei lá)
E assim por diante.

A qualquer sinal de pergunta sobre entrevista: negue. Vocês irão entender o porquê disso depois.

No meio das entrevistas, pergunte TUDO o que você quiser saber. Se você está participando do processo seletivo é porque você já se decidiu que quer mudar, mas não é a mudança a qualquer custo, lembre-se que as coisas sempre podem piorar. Por isso, seja consciente e pergunte tudo para ter a certeza de que a mudança será para melhor.

3. Lidando com a ansiedade dos processos seletivos
Depois que você começa os processos, começam as ansiedades para saber se você passou para a próxima etapa ou se foi finalmente aprovado. Eu sou MUITO ansiosa e desenvolvi alguns pensamentos para me ajudar a lidar com isso:

1. Se ocupe: cabeça vazia só faz com que você fique mais ansioso. Se puder, foque no seu trabalho ou  no outro processo ou até nas suas férias e esqueça as entrevistas que você já fez.

2. Pense positivo: eu escrevi aqui no blog sobre isso e foi exatamente em um período de  processo seletivo que comecei a ler  sobre isso. No final das contas, visualizar que eu seria aprovada fez com que eu fosse de fato aprovada no processo que eu queria. E cá estou eu na empresa nova! Isso funciona MESMO!

3. O destino se encarrega. Aqui eu não digo para você não fazer nada e esperar o destino. Aqui eu digo que você faz tudo que está no seu alcance e pensa que o destino te trará o que for melhor para você. Eu sempre acreditei muito nisso e convido você a fazer o mesmo. Se você participou de 3 processos seletivos e foi aprovado em 1 deles, é porque esse é o melhor para você. Provavelmente os outros 2 seriam piores para você e o destino se encarregou de te trazer o melhor! =)

Com essas 3 técnicas, te garanto que você vai se sentir mais calmo, principalmente sabendo que você já fez tudo o que estava ao seu alcance. Agora é esperar, se ocupando com outras coisas.

4. Passei em um processo, como saber se devo mudar mesmo?
No meu caso, quando eu recebi a notícia, cheguei até a chorar. Eu de fato queria ir embora. Mesmo sabendo que seria eternamente grata por aquele lugar pelas oportunidades que eu tinha tido. Ao receber a notícia, faça as comparações entre sua empresa atual e a futura para ter certeza que está fazendo um bom negócio.


Se você verificar que a proposta não está à altura da sua necessidade, renegocie a proposta se você verificar que ela pode ser melhor. Cuidado aqui: tem empresas que não renegociam. Se de fato você quer ir embora, talvez seja o caso de aceitar a proposta como ela está. Se você sentiu que a empresa deixou um espaço aberto para rediscutir a proposta, leve seus números e rediscuta com muita sutileza.

Não avise seu atual empregador sobre isso ainda. E eu te digo porquê: já vi colegas sendo deixados totalmente de lado porque foram sinceros e falaram que estavam em processo seletivo. O que aconteceu? a empresa passou a não contar mais com eles e alguns deles nem passaram nas entrevistas. Jamais faça isso.

E se você ainda não assinou a proposta, também não tem porque seu empregador saber. Já vi propostas sumirem e a pessoa ficar em uma situação muito delicada porque avisou seu atual empregador que ia embora e o novo empregador falou que a vaga foi cancelada, ou seja, a proposta deixou de existir. Este  é o momento de pensar em VOCÊ e nada mais.

Estando de acordo com a proposta, assine-a, receba a confirmação que seu novo empregador recebeu e depois do exame médico, conte para seu atual empregador sobre isso.

5. Contando para seu atual empregador
Aqui literalmente tudo pode acontecer: seu empregador pode falar "ufa, boa sorte, vai tarde", ou pode te convencer a ficar. Cuidado neste caso. Se você tomou a decisão de sair, é porque você tinha um motivo forte (volte ao  passo 1, lá identificamos as reais razões de você ter decidido sair) e se seu empregador resolveu fazer um reconhecimento financeiro somente agora que você comunicou, é bom pensar se de fato é esse o reconhecimento que você merecia.

Todo cuidado aqui é pouco para você não se queimar com o seu atual e futuro empregador. Seja educado e agradecido ao falar que está saindo, evite aceitar contra-propostas e vá em frente. Se der medo, continue indo em frente. O medo é normal nesta etapa.

Aceitar uma contra-proposta vai exigir você voltar com o seu futuro empregador  e falar para ele que não quer mais. Esteja consciente que você se queimará com ele e muito provavelmente nunca mais poderá voltar a trabalhar com ele. Todas as decisões aqui tem que ser muito consciente.

6. Últimos dias no atual e Primeiros dias no Futuro
Importantíssimo você ser extremamente profissional nos últimos dias e fazer tudo que lhe for demandado. A vontade é jogar a toalha, mas lembre-se que você não sabe quando irá reencontrar com as pessoas que trabalha hoje, por isso, foque em pensar que são os últimos dias e entregue tudo que for necessário. Saia com a consciencia limpa.

Outro ponto: se você puder, tire uma semana de descanso entre uma empresa e outra. Eu não fiz isso e me arrependo demais. Cheguei na nova empresa muito cansada, desanimada e acredito que o fruto da minha falta de energia hoje seja por isso também. É importante você encerrar um ciclo, descansar, colocar sua mente no lugar, para iniciar outro. 1 semana "desempregado" não vai representar nada na sua vida, mas um início "atordoado" pode impactar e muito seu novo trabalho (sofro hoje com isso).

Os primeiros dias na nova empresa são de estranhamento. Eu estranhei novos chefes, colegas, horários, ferramentas de trabalho, objetivos, atividades, TUDO. É normal você fazer comparações a todo o momento (eu faço até hoje), mas o que você precisa  manter em mente são os motivos que te fizeram sair do antigo empregador. Isso era mais forte que qualquer coisa pra mim e isso mantém meu foco no novo empregador.

É normal sentir uma insegurança nesse início, por isso acho fundamental manter o foco e fazer as primeiras entregas que te demandarem, afinal, sua reputação está sendo construída. Depois de uns 6 meses acho que é possível relaxar e se sentir "em casa" novamente.

7. Últimas considerações sobre a mudança
Gente, eu sei que muita gente tem medo de mudar. Acha melhor ficar em um lugar conhecido que um por conhecer. Eu mesma demorei muito para fazer minha primeira mudança e me arrependo. Me arrependo porque vi minha carreira decolar depois de mudar. Hoje tenho um salário maior que meus colegas antigos de trabalho que tinham salários muito maiores que o meu. Se hoje estou perto do 1M, foi devido a mudança.

Mas as mudanças podem dar errado não é mesmo? Podem, e aí cabe a nós mudarmos novamente. Não é fácil mudar, mas eu vejo mais pontos positivos que negativos nelas. Sempre poderemos mudar, então se algo der errado, se prepare para mudar de novo e mude! É preciso muita persistência e determinação aqui,  mas valem a pena.

Vale a pena quando você consegue ver que pode aportar mais, pode ter uma vida de mais tranquilidade, pode ter melhores benefícios, pode ajudar sua família. O stress de mudar acaba quando você pensa no ganho na qualidade de vida que  você tem e na sua família.

Eu tive medo, mas mudei. E continuarei mudando enquanto eu ver que há oportunidades melhores lá fora. O mundo é gigante e as oportunidades inúmeras, vamos abraçá-las!

Um grande abs,
IFM

29 comentários:

  1. Bom post IFM.

    Sou funcionário público com padrão salarial razoável pra cidade onde moro. Esse padrão aliado a um certa comodidade faz com que ainda não tenha saído do emprego.
    Aliás funcionários públicos adoecem, se estressam, se afastam, fazem o caramba a 4 mas não saem do emprego.
    A estabilidade funciona como uma prisão mental pra maioria.

    Me questiono se hoje tenho condições de competir em bom nível por vagas privadas, ou mesmo se deveria empreender.
    Mas ainda não parti pra cima como deveria.
    Zona de conforto ainda que não muito confortável é um problema e admito que não sou ousado, se fosse já teria mudado.
    Quem sabe num futuro próximo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Anon!
      Eu tenho uma visão meio romantica do funcionalistmo público, nunca imaginei que vocês adoeciam, se estressavam, sempre achei que era um trabalho "tranquilo". Me conta como isso se dá?

      Por outro lado, acho que antes de você fazer juizo de valor (tipo, será que consigo competir?), seria melhor você de fato iniciar uma ação para começar a competir. No fim, vc pode se surpreender e ver que nem valia a pena ficar com esses pensamentos, mas de fato agir mais traz mais resultado.

      Eu te encorajo a tentar, mal não vai fazer! =)

      Excluir
    2. IFM meu cargo é relativamente tranquilo no sentido de stress, embora tenha alguns comportamentos de colegas que eu não goste, mas temos que entender que cada pessoa é de um jeito.
      Porém no meu caso existe uma boa dose de estagnação.

      Por isso as vezes penso em fazer algo diferente.
      Com relação ao que citei sobre funcionários que adoecem etc, isso relamente acontece.
      Quando a maioria das pessoas pensam em funcionalismo público, acho que imaginam pessoas atrás de uma mesa digitando ou carimbando papéis.
      Com isso se esqueçem que o funcionalismo está dividido em dezenas de funções e profissões.
      Motoristas, professores, policiais, médicos, funcionários administrativos, gestores etc etc. E esses profisionais estão sujeitos as mesmas situações que funcionários privados.
      Por isso também ocorrem afastamentos pelos mesmo motivos, a diferença é que é mais difícil o servidor público sair do emprego.

      Excluir
    3. Clarissimo anon, nós de empresas privadas temos uma visão romantica do funcionalismo público...

      Excluir
  2. Excelente postagem ... Belissimas dicas.

    Uma duvida: E a questao do FGTS? Voce pediu para sair, eles te demitiram ou foi aquele acordo 20%?

    Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada VDC!
      Eu deixei o FGTS para trás (rs). De verdade, sei que muita gente deixa de tomar decisões por conta desse dinheiro, mas meu pensamento é o contrário. O FGTS é seu/meu, pode ser que eu não saque agora, mas um dia sacarei. A multa não é nossa, ela só é nossa se de fato somos demitidos. Eu não deixo essa multinha me frear de uma decisão que possa trazer frutos maiores para mim.
      Por isso, as 2 vezes que sai de empresa, pedi demissão mesmo, não recebi a multa, não peguei o FGTS (peguei o penultimo agora nas contas inativas, ieii) e não me arrependo.

      Lógico que se sua empresa deixa aberto um espaço para negociação (acho que é raro, mas não custa tentar), vale a pena negociar, caso contrário, não freie sua decisão por conta de meros 40% de um saldo que pode nem ser tão gigante. ;)

      Abs!

      Excluir
  3. Olá, será que você pode me adicionar na sua lista de blogs (blogroll)? Você já está na minha.

    http://investidoruniversitario.blogspot.com.br/

    Obrigado

    ResponderExcluir
  4. Um ótimo manual de encorajamento! Estou a 5 anos na empresa e, cada dia que passa, sinto cada vez mais a necessidade sair. O medo faz parte do processo. Será que você pode me adicionar na sua lista de blogs (blogroll)? Você já está na minha. Abraços, AR.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi amigo, posso sim, no fds atualizarei a lista, ok?

      Tenha coragem, 5 anos nem é tanto tempo assim, vá em frente e corra pelos seus sonhos! =)

      Excluir
  5. Excelente post, sobre completo sobre como mudar de emprego passo a passo.

    Acho que devemos sempre estar atentos a buscar novas oportunidades e novos empregos, maiores salários, quer seja na empresa que trabalhamos ou nas concorrentes.

    Abraço e sucesso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada DIL!
      Estou contigo, enquanto não atingimos a IF, devemos aproveitar as oportunidades que surgem e ir atrás delas de vez enquando também!
      Abs!

      Excluir
  6. Parabéns pelo post.

    Isso meu lembra um velho ditado: Os incomodados que se mudem! KKKKK


    No que tange operacional do meio corporativo, infelizmente é regra "politicagem" e situações vexatórias, raras são as empresas com bom ambiente de trabalho, mas este procedimento não é exclusividade do regimento interno da empresa, e sim da cultura disseminado na sociedade.

    Não existe papel pintado que mude este prognostico ! Infelizmente este operacional é empregando nas mentes das pessoas.

    Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. hahaha é verdade Mestre!
      Acho que não devemos generalizar. Existem muitas empresas em fases boas, climas bons e se achamos que merecemos mais, devemos ir atrás do que queremos.
      Eu sou a favor disso. Agora, nada exclui a busca pela IF, ela está aqui e o trabalho é apenas um meio para isso! =)

      Excluir
  7. Olá I.F, em relação ao item 2, quando trabalhei em empresa privada, não busquei outras empresas, enquanto estava empregado, achava anti ético e acabei sendo demitido, me parece que no mercado não tem muito isso. Boas dicas para quem quer mudar de cargo. abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Beto,
      De verdade, não existe muito isso de ser anti-ético. As empresas ficam conosco enquanto somos úteis para elas. O mesmo devemos pensar. Se ela está sendo útil para nós, ok, caso contrário, devemos buscar um local que nos valorize mais.

      Excluir
  8. Nossa, estou passando por isso IF... Acabei de começar em uma empresa bacana mas que paga pouco e recebi convite para entrevista em uma empresa grande para receber o triplo - se for aprovado... acabei a faculdade agora, nem estava mais procurando emprego e uma dessas acontece. Estou triste e feliz...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anon, fique grato e feliz pelas oportunidades que aparecem!
      Vá em frente! Se for para ser, será! Deixe o destino agir no seu caso e faça sua parte. Se de fato não for o melhor para você, o processo seletivo não vai dar certo!
      Torço para que seja bom pra vc, é ótimo ganhar mais!

      Excluir
  9. Excelente post! Em relação a contraproposta para ficar, nunca se deve aceitar , pois não vivemos em um país sério, e na maioria das vezes será cilada. Irão te segurar mais tempo para evitar o impacto da saída repentina, porém lá na frente vao lhe dar pé na bunda na primeira oportinidade. Uma vez que a decisão de sair foi tomada e comunicada, eu nunca volto atras.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Samurai!
      Compartilho da sua visão, mas já vi pessoas que aceitaram contra-proposta e não foi o pesadelo que você diz, mas vejo esses casos como extremamente raros.
      No fim das contas a pessoa pediu demissão em uma segunda ou terceira oportunidade...

      Excluir
  10. Parabéns pela postagem. Gostei de ver o seu jogo de cintura ao realizar a mudança.
    A dúvida que eu tenho é com relação ao LinkedIn: Como eu atualizo o meu sendo que tenho meus colegas, supervisores e até o coordenador adicionado na rede social?

    ResponderExcluir
  11. Com a mudança de trabalho, você não tem direito a férias somente após um ano agora depois do início?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Teoricamente sim Anon, na prática eu negociei isso na entrada! ;)

      Excluir
  12. Acho que você agiu certíssimo, inclusive compartilhamos de várias opiniões em comum, também sou do tipo super discreto e quando a empresa sabe que vou sair é porquê já está tudo certo.
    Inclusive já fiz isso duas vezes, a última é recente.
    Também suporto muita pressão e estresse, mas assim como você, acho que a gente tem que perceber até onde o calo dói, eu decidi levar como mantra pra vida a questão de ter paz e saúde, essas duas coisas eu não permito que tirem de mim, a partir do momento que o emprego começa a arranhar isso eu começo a analisar e repensar meu futuro lá.
    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É isso mesmo Anon, pensamos da mesma maneira!
      Boa sorte pra vc no novo desafio também então!
      Abs!

      Excluir
  13. Boa tarde!

    me identifiquei com seu dia a dia e achei muito interessante seu mind-set.

    acompanhando aqui.

    me adiciona na sua grool se não for atrapalhar.

    att;
    Agiota.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Agiota,
      Bacana, obrigada, assim que eu parar para adicionar os novos, farei a sua inclusão também.
      abs!
      IFM

      Excluir
  14. Muito obrigado por compartilhar sua experiência! Posts assim são realmente muito úteis, e você escreve muito bem.

    Sei que o post é antigo, mas estou pensando em mudar de emprego ultimamente, e agradeço se você puder me ajudar com sua opinião.

    Entrei no meu emprego atual ganhando 2k no início do ano passado (primeiro emprego), e no final do ano passado me formei do meu curso da faculdade. O aprendizado é grande (faculdade não ensina muita coisa) e o ambiente não é ruim no emprego atual, mas no final do mês são apenas 2k na conta, o que não é ruim pros meus padrões atuais, mas não vai me deixar perto da IF nunca.

    Estava pensando em me candidatar pra algumas vagas em algumas capitais (moro no interior) que ofercem salário por volta de 3,5 a 4k, e usar essa oferta pra negociar um salário maior na empresa que estou atualmente. Você acha que faz sentido fazer isso?

    Atualmente ganho 2k mas moro com os pais, então não tenho muitos gastos. Se eu for morar em outra cidade imagino que vou gastar no minímo 1.5k com aluguel e alimentação, então a proposta realmente tem que ser boa pra eu sair do meu emprego atual, porém queria usar uma eventual oferta pra negociar um maior salário, que imagino que pode chegar a 3k.

    Você acha arriscado fazer isso? A alternativa é continuar na mesma situação por um tempo enquanto ganho mais experiência e esperar ser promovido eventualmente, mas não sei quando isso vai acontecer. O que você faria?

    Abraço.

    ResponderExcluir
  15. IFM,

    Quero agradecer a você por este post, a partir dele tomei mais coragem de mudar. Hoje consegui uma vaga para uma multinacional, com salário 30% maior, bonus, PLR, etc... Também aprendi muito no meu emprego atual, mas realmente mudar é preciso... estou ansioso, mas acredito que tudo dará certo... na hora H quase que desisti, mas foi kkkkk

    Valeu!

    ResponderExcluir

Obrigada por tornar esse espaço um lugar fértil para troca de idéias! =)