quinta-feira, 19 de julho de 2018

Quando cai o salário...

Salário.

Eita negócinho difícil de conseguir. Ainda no colégio, nos preocupamos com isso pensando qual profissão vamos seguir. Ao entrar na faculdade, a ansiedade por entrar no mercado do trabalho e conseguir aquele tão esperado primeiro trabalho é enorme.

Mas aí você não consegue. Tem que passar a buscar "bicos" e freelancers. Eu comecei assim, como freelancer. Trabalhava aos finais de semana e no final do mês conseguia meus 130, 150 reais. Que alegria era pegar aquele suado dinheirinho no final do mês. Em meses movimentados, 200 reais. Guardava sempre uns 5 ou 10 reais e colocava na poupança. Era muita felicidade ir lá buscar  o dinheiro. Era o início da minha independência.

E aí veio o estágio. Aí sim eu ia ganhar para valer. Me lembro do meu primeiro estágio até hoje. 800 reais foi o que eu recebi de bolsa-auxílio por meses a fio. Eu era extremamente grata e mesmo gastando quase todo o dinheiro para poder ir trabalhar, eu sabia que estava no caminho certo. Olhava para o meu chefe, que ganhava uns 2.200 reais na época e pensava: caraca, ele é rico! É isso que quero.

Me esforcei, me esforcei muito mesmo para ser efetivada. Tudo que era oportunidade eu agarrava com unhas e dentes. Era a chance de "me dar bem". E me dei, fui efetivada antes de completar 1 ano de estágio.

Aí foi o céu. Era eu que ganhava os 2.200  reais. Comecei a investir em ações. Ganhei. Perdi. Ganhei muito. Perdi metade. Sai das ações e voltei para a poupança. Continuei extremamente focada em carreira e investimentos. Cada salário, cada centavo era valorizado.

Fui evoluindo. 5% de aumento aqui, 10% ali, 3% acolá. Cada aumento comemorado. Cada aumento valorizado. Para mim, era como se eu subisse degrau por degrau. Cada 5% a mais, era um valor que seria acumulado para o próximo aumento.

A primeira promoção foi difícil. Me lembro até hoje de ter ido conversar com meu chefe na época e perguntar porque não tinha sido promovida ainda. Me preparei muito para essa conversa e estava muito ciente de que merecia. Meses depois a promoção veio. E que alegria. eu subia um super degrau.

Lembro de cada promoção, lembro de cada aumento. Cada caída de salário. E porque que estou falando disso hoje? Porque é fácil a gente se esquecer de onde viemos. É fácil esquecermos de tudo que passamos e como cada real foi importante para compor o patrimônio que hoje tenho.

Às vezes, parece que estamos estagnados. Sempre queremos mais. o Ser-humano é assim. Podemos estar no cargo e posição que sempre quisemos. Podemos estar com o salário que sempre sonhamos. Mas ao chegar nesse patamar, a gente sempre pensa que pode mais. E olha para o lado e vê que alguém pode mais. E olha para frente e vê que podemos mais. Mas é preciso reconhecer o presente.

O presente. Palavrinha difícil que não nos deixa achar que chegamos onde queríamos. Ele quer que olhemos para o futuro. Mas a verdade é que hoje parei para pensar. Hoje, ao entrar na minha conta bancária, vi o quanto é bom ter esse excelente salário caindo na conta. A sensação é de não-progresso nos últimos tempos, mas, poxa, que belo número. A cada mês tenho um belo número na conta corrente. Um número que sempre sonhei. Um número que achei que seria muito difícil alcançar. Mas alcancei.

Olho para trás, que bela história. Olho para trás, quantas conquistas, quantas oportunidades, quanto esforço e quanto suor. Esse número hoje na conta? É a recompensa. A IF, a grande IF meus caros, deve estar logo aí. Ainda tem muita coisa para conquistar. Ainda tem muitos degraus para subir. Bora lá, a vida não espera.

Abs,
IFM

9 comentários:

  1. Verdade, temos que olhar para traz e agradecer o que conseguimos.

    Faz um post sobre suas aventuras com ações, essas quer mencionou.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Paulo! Claro, coloquei aqui na lista. Foi uma aventura e tanto! rs

      Excluir
  2. O equilibrio que você demonstra no seus posts são inspiradores, passa longe do desespero que demonstro nos meus!rs Tenho certeza que sua transição para a IF vai ser tranquila, canso de ler que se deve aposentar "para alguma coisa" e não "de alguma coisa", em outras palavras vc parece que quer se aposentar para viver uma vida mais plana ainda enquanto eu estou querendo me aposentar para fugir de uma vida que não gosto. Esse contraste me fascina....
    Sucesso!

    Sr. IF365

    Blog do Sr.IF365 | Acompanhe meus últimos 365 dias antes da IF e Aposentadoria Antecipada
    www.srif365.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. SrIF, eu acompanho muito seus posts apesar de não comentar tanto. Eu tenho um semi-desespero muitas vezes quando estou no meio do trabalho com problemas e pressões gigantes, mas o que me conforta é pensar no patrimônio. No passado eu jurei para mim mesma que quando eu tivesse 1M eu não iria mais surtar.
      Veja você, mais de 3M, você CHEGOU lá. Você não precisa se desesperar. Trabalhar do jeito que você trabalha deve ser péssimo, mas pensa que vc já cruzou a linha de chegada e está só na prorrogação aproveitando o restinho do tempo.
      Acho que você pode mudar seu mindset de "estou desesperado" para "estou numa situação confortável, apenas na prorrogação". Isso vai fazer com que você vá trabalhar mais tranquilo e até aproveite seus últimos meses.
      Veja só, não é só de coisa ruim que os momentos da vida são feitos. Eu aposto que tem algo de bom no seu trabalho, nem que seja amigos, a paisagem, alguma sensação que você experimenta pouco. Pense nesses pontos positivos que você VAI sentir falta e que, apesar de 95% das coisas no trabalho serem ruins, aqueles 5% vão ficar de recordação e você se lembrará com carinho.
      Vamos nos falando, te ajudo daqui e você me ajuda daí! ;)
      Abs!!

      Excluir
  3. Excelente evolução salarial!

    Evoluir o salário, ser promovido ganhando cada vez, poupar uma parte e investir, são os grandes segredos para conquistar a independência financeira, para quem é CLT.

    Abraço e bons investimentos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que evolução é a palavra não só para CLT DIL, mas para autônomos, empreendedores, etc. No início da jornada da IF é essa evolução que faz a diferença....
      Abs!!

      Excluir
  4. Muito bacana olhar para onde sonhamos chegar, mas sem perder de vista o local de onde viemos.
    Isso faz a gente valorizar ainda mais as conquistas e o salário de hoje.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exato Filipe! E no caminho da IF que parece longo,são essas análises que fazem a gente ter um gás a mais para seguir caminhando...
      Abs!

      Excluir
  5. Você parece legal pra uma pessoa que provavelmente tem um cargo de alta gerência ou direção. É bem raro.

    ResponderExcluir

Obrigada por tornar esse espaço um lugar fértil para troca de idéias! =)