sexta-feira, 8 de setembro de 2017

Aportes altos - Qual o segredo?

E aí pessoal? Aproveitando o feriado? Nada como esse tempinho para recuperar as energias!

Último post eu compartilhei meu "aporte médio" e algumas pessoas ficaram curiosas para saber como cheguei nesse patamar. Então resolvi fazer um post "dedicado" a esse assunto.

Para chegar nesse valor alto, é importante lembrar do seguinte:

1) Você não chegará nesse valor do dia para noite. Cada 50 reais de aumento no valor de aporte serão celebrados e os chamados "baby steps" (passos de bebê) é a verdadeira realidade quando falamo sem aumento dos aportes. Vou explicar o porquê disso fazendo um paralelo com o meu caso.

2) Sacrifícios, muitos sacrifícios serão necessários. Abrir mão de estar nos melhores bares/baladas da cidade, viagens internacionais todos os anos, roupas da moda, etc, etc.

3) No início você não verá que está tendo resultados. Aportes pequenos no início vão parecer que você não está caminhando, mas você está!!! Mantenha o passo firme rumo à IF independente do valor do aporte. Aporte o máximo que você pode naquele mês. Não despreze pequenos valores.

Posto isso, vamos ao meu caso:

Desde muito jovem eu me preocupo com dinheiro. Não tive uma infância miserável, mas tive uma infância que recebi muitos "nãos" e alguns deles foi devido à falta de dinheiro. Traumas superados, cresci saudável e decidi que um dia na minha vida eu não ia mais me preocupar com ele. Mas até lá, eu tinha que focar muito em acumular o chamado dinheiro.

Pois bem, tudo mudou em uma aula na escola em que descobri o poder dos juros. O poder do % sobre %. E fazendo algumas contas no meu caderno, cheguei à conclusão que o chamado 1 milhão de reais eram suficientes para eu viver com 10k (na época a poupança dava 1% ao mes! hahaha) para o resto da minha vida. Lógico que naquela época eu nem conhecia a inflação e uma série de outros fatores, mas foi a primeira vez que me lembro que me atentei para a IF.

A partir desse dia, minhas escolhas eram muito baseadas em acumular dinheiro para chegar no tal 1 milhão. Minha escolha profissional (fiz um curso que eu pudesse trabalhar em empresas) foi pautada em qual profissão eu teria uma gama maior do mercado de trabalho, retorno mais rápido e probabilidade de retorno maior. Não digo aqui que a escolha foi acertada, ok? Só digo que eu fiz uma escolha de profissão extremamente racional e não sei se hoje em dia concordo com ela (acho que não na verdade).

Pois bem, escolhida a profissão que eu iria seguir (a que me daria o retorno mais rápido, com a menor chance de eu ficar "desempregada" e com potencial de ganho mais alto), prestei vestibular e me dediquei como nunca aos estudos.

Quando falo que me dediquei como nunca aos estudos, quero dizer que eu tratava os estudos como se fossem meu trabalho, como se fosse a chance que eu tinha de ganhar mais dinheiro. O resultado chegou e eu passei em uma universidade pública (podem imaginar a alegria dos meus pais em não ter que pagar 1 centavo para eu estudar na faculdade).

No início do curso eu não poderia fazer estágio, mas queria muito começar a trabalhar para acumular um capital. Foi então que consegui uns trabalhos como free-lancer (ganhava uns 100 reais por mês, mas achava ótimo). No terceiro ano da faculdade é que de fato eu comecei a estagiar (e ganhar 1.000 reais ao mês).

Parte mais importante deste post: 
Foi aí que eu comecei a tratar a minha carreira como a parte mais importante da minha vida. Eu vi que se eu me dedicasse de fato e tratasse aquele estágio como algo muito importante, eu seria efetivada e poderia progredir. E foi assim que eu fiz. 10 meses depois fui efetivada e comecei a me desenvolver como profissional.

Sempre trabalhei em empresas privadas, então apesar de muitos curiosos acharem que tenho alguma carreira "fora da curva", não, eu não tenho. Comecei nesse estágio e passei a me dedicar muito ao trabalho (como podem ver, ainda me dedico...hehehe) e meu salário foi crescendo aos poucos. Me lembro até hoje da evolução dele:

Estágio (1.000 reais) -> assistente (2.300 reais) -> analista junior (2.600 reais) -> analista junior (2.800 reais) -> analista junior (3.000 reais).....

Foi aos poucos que eu tive uma evolução salarial no meu antigo empregador. Fui subindo de salário, de 300 em 300 reais, até chegar em um patamar que eu considerei baixo para quem já tinha mais de 5 anos de companhia.

Nessa época, tive uma verdadeira "crise" do setor privado e pensei em prestar concurso público. Me matriculei em um cursinho, paguei e comecei a estudar aos sábados para o concurso. Prestei alguns, cheguei bem perto de passar em 1, mas não consegui. Foi aí que surgiu a oportunidade de eu mudar de emprego.

Uma antiga chefe minha, que gostava do meu trabalho (isso é importantíssimo, construir sua "marca" no mercado profissional), me chamou para trabalhar com ela em uma empresa de um ramo totalmente diferente da que eu trabalhava, em um movimento "lateral" (sem promoção, mas com um certo aumento de salário).

Naquele momento, depois de mais de 5 anos de empresa, totalmente desanimada e querendo ir até para o setor público, eu optei por mudar. Eu senti que esse novo emprego poderia ser um novo começo para mim no setor privado e, mesmo sem grandes ganhos, eu optei por ir.

Meu antigo empregador fez até uma ótima contra-proposta, mas fiquei firme e mudei porque sentia que eu deveria mudar. E foi a melhor coisa que me aconteceu.

Me dediquei nessa nova empresa como nunca e comecei a ganhar a confiança de alguns colegas/chefes. Dei uma certa sorte porque substitui pessoas que eram muito "ruins" então qualquer coisa que eu fazia, eu era muito elogiada.

O que de mais "acertado" eu fiz nessa mudança? Construí relacionamentos bons com todos que trabalhavam comigo. Me concentrei em dar o melhor de mim em todos os trabalhos. Aos poucos, foram me dando mais responsabilidades e mais trabalho e eu não neguei em momento algum isso.

Conclusão:

4 meses após minha mudança de emprego, fui promovida
A cada 6 meses recebi algum aumento (não só de grana, mas de trabalho também...hehehe)
No início deste ano fui promovida novamente (e recebi uma carga de responsabilidade absurda)

Comecei no meu novo emprego com X salário e, 2 anos depois, eu estava com o dobro disso. Hoje estou com um salário 2.5x maior do que quando eu iniciei. E ainda não completei 3 anos de casa.

Trabalho muito (vocês veem) e fiz a escolha de abrir mão de muita coisa da minha vida pessoal para obter esse "ganho". São escolhas da nossa vida. Recomendo a você isso? Depende. Eu tenho uma certa pressa de chegar lá (IF) o quanto antes e estou disposta a abrir mão de uma série de coisas para isso. Será que você está? Eu consigo ver felicidade sendo assim, não sei se você verá. Eu me sinto feliz vendo meus montantes de dinheiro crescendo a cada semana, mas abri mão de ter viagens internacionais neste ano e no ano passado. Você está pronto para isso?

De verdade, não acredito numa receita de bolo. Acredito sim que se você quer ter aportes grandes precisa se dedicar. Precisa abrir mão de certas coisas. Mas será que o aporte alto é o melhor caminho para todos? Não acho. Você não precisa se aposentar aos 35 anos. Você pode se aposentar aos 45 e tudo bem.

Até quando quero seguir neste ritmo? Acho que aguento só mais alguns anos. Não é fácil. E não acho sustentável. Deixei muitas coisas de lado para conquistar um bom salário e agora quero começar a pisar no freio.

Para mim, foi este o caminho de muito foco, muito sacrifício e muita dedicação para chegar onde estou. E você, qual caminho quer seguir?

Até mais!

26 comentários:

  1. Acho que meu caminho é muito parecido com o seu.

    Ano que vem completo o ciclo de 5 anos. Não vejo a hora de terminar a faculdade pra me jogar no mercado e arranjar um cargo com salário melhor e mais carga de trabalho.

    Onde estou atualmente já passei por vários projetos, sempre trabalhando bem. Mas eu tenho um problema com maturação de projeto. Meu trabalho basicamente se resume a ser assistente em processos de desenho de serviço aos clientes. Definimos o serviço, estabelecemos ele e vamos monitorando até poder dizer que os processos adotados são maduros. Quando chega neste ponto eu começo a me deprimir. A carga de trabalho diminui, não tem mais novidades e começo a procrastinar.

    Atualmente tenho bastante responsabilidade nas costas, mas estou com uma carga de trabalho bem baixa. Me sinto entediado, o tempo não passa...

    Só não mudo de trabalho por faltar só 2 semestres pra me formar e posso usar um pouco desse tempo livre pra escrever a monografia. Assim que me formar vou procurar por algo melhor com certeza...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa IW!
      Olha, eu aprendi que quando estamos "full loaded" de trabalho, almeijamos estar num trabalho mais tranquilo e quando é o contrário, também vemos a grama do vizinho mais verde.
      Aproveita esse tempo na facul que é um dos melhores da vida e, depois que ele acabar, pegue firme no trabalho. Se você já está tendo uma experiência bacana antes de se formar, a tendência é conseguir um trampo muito bom após o diploma! Sucesso!

      Excluir
  2. Perfeito o comentário, IF ou M!

    Há quem pense que um aporte de R$ 8-10 mil signifique necessariamente um salário de 25 ou 30k. Porém, creio que na ampla maioria dos casos do pessoal da finansfera, esse aporte é resultado de um alto patamar de sacrifício/restrições pessoais em prol de um objetivo de médio prazo. E é muito mais tranquilo passar por esse aperto enquanto se é mais jovem... Se você que nem chegou aos 30 pensa em diminuir o ritmo, imagine quem já é trintão como eu! eheheheh

    E parabéns pela escolha profissional acertada, você se manteve firme em sua decisão e colheu bons frutos.

    Abraço, até mais!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. hehehehe é isso aí DM! Vi uns comentários no seu blog do pessoal falando "nossa, queria eu ter esse nível de aporte"...de fato o caminho é longo e as pessoas tem de estar dispostas a percorre-las! Ninguém "nasce" com um salário alto, não é mesmo?

      Obrigada, às vezes penso que não foi muito acertada, mas em termos financeiros não posso reclamar nos últimos anos!

      Abs!!

      Excluir
  3. IF ou M, é assim que se inspira pessoas aqui na finansfera. Belíssima trajetória de trabalho, tenho uma parecida, mas ainda espero o gran finale.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. SE, muito obrigada! Fico lisonjeada em ler isso. Não acho minha trajetória nada "fora do normal", mas é bom compartilhar que foram anos e anos de muita priorização no que era importante para mim!
      Com certeza seu gran finale chegará!
      Abs!

      Excluir
  4. Parabéns IFM, fui um dos que perguntou para vc sobre sua jornada!
    Acho que fiz o contrário de vc, logo que comecei a estagiar (ganhando meus 300tão por mês), quis logo gastar, por causa da ideia que muitos têm de que economizar um valor tão baixo não vai levar a IF. Mas o que vejo hoje é que, apesar do valor ser baixo, isso te ensina a ter disciplina. E isso me afetou durante quase toda minha vida (e afeta até hoje), como coloquei num post meu "Como Torrei Um Milhão de Reais $$$!"...

    E continue com essa disciplina de economizar, este é o caminho certo!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim ZeroUm, você foi um dos que me inspirou a escrever! =)
      Sim, com certeza o início é o mais dificil, porque esses valores "pequenos" não fazem um montante grande (pelo menos é o que pensamos). Mas depois de 1 ano de disciplina, você vê que mesmo com os 300tão, você consegue juntar algo relevante...não dá para desprezar nenhum valor.
      Vi seu post, e acho que nem sempre as pessoas tem de ter histórias parecidas. Não é todo mundo que nasce com o "dom" de economizar. Você conseguiu aprender através da sua experiência e var chegar lá um dia, pode apostar!
      Abs

      Excluir
  5. Legal esse crescimento na carreira e por conseguinte de aporte. Acho que em empresa privada, são maiores as chances de progressão.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Beto,
      Eu acho relativo. Quando eu estava na minha antiga empresa e só conseguia prosseguir bem aos poucos, eu discordava. Foi aí que pensei em ir para o setor público. De fato se eu tivesse ido para esse setor quando tivesse terminado a facul, talvez teria um montante bem maior hoje em dia.
      Por isso, acho relativo!
      Abs!

      Excluir
  6. Muito boa sua história de vida IFM e motivadora a todos que tem um aporte baixo porque ganham pouco ou por qualquer outro motivo.

    Você é prova viva que disciplina + foco + planejamento = altos aportes.

    Lendo sua história eu lembrei da minha, com muito orgulho a 8 anos atrás com meu primeiro estágio na área de TI ganhando meus meros 600 reais e pagando do próprio bolso (porque meus pais não tinham condição pra ajudar) 480 de faculdade por mês.

    Foi difícil, mas valeu a pena, hoje com um salário mais de 10x maior que a 8 anos atrás só tenho a agradecer a Deus primeiramente, aos meus pais e também ao meu foco e disciplina para continuar estudando, evoluindo e crescendo na área que decidi trabalhar pelos próximos anos (espero que não muitos kk) até a IF!

    Abraço e continue com artigos deste tipo, motivam demais a gente!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    2. Olá IP!
      Muito bacana ler isso vindo de alguém do outro lado da telinha! De fato inspirador para mim saber que posso motivar alguém que nem conheço! Obrigada! =)

      Vamos permanecer persistentes na luta, jajá nossa IF chega! Aproveitar o caminho até ela faz parte tambpem!

      Abs!

      Excluir
  7. Tudo é relativo, quando não é absoluto, hahaha! Brincadeira! Me lembrei de 2 casais que conheci há uns 10 anos trás. O mais aquinhoado financeiramente ganhava 5000 já naquela época e viviam reclamando da vida e sempre atolados em empréstimos; o outro ganhava cerca de 1500 e nunca se via chorumingando e ainda diziam que sobrava uma pequena quantia prá poupar. Quer dizer: tudo é relativo, meismo!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com certeza Anon! Ganhar mais não é igual a aportar mais! É difícil ir subindo na carreira e não subir seu nível de vida, temos que manter os pés bem no chão e enxergar que luxo não é igual a felicidade (mas no futuro ajudará! rsrs)
      Abs

      Excluir
  8. Descobri essa semana sobre os blogs de investimentos, eu já li vários, mas o seu foi o que mais gostei e me identifiquei. Parabéns. Também estou no mesmo caminho, em busca do Primeiro milhão e IF, com aportes altos e constantes. O planejamento é que daqui 3 anos atinja o objetivo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Poxa Anon, fico muito lisongeada, obrigada!
      Eu criei o blog recentemente até (posterguei muito para de fato começar) e estou cada vez mais animada com ele! Comentários como o seu me motivam!
      Parabéns pela escolha em ser livre! Daqui 3 anos você alcança o 1º milhão ou a IF? Quando considerará que a IF chegou?
      Abs!

      Excluir
    2. Eu pretendo alcançar o 1o milhão daqui No máximo 3 anos, se tudo se mantiver conforme planejado. . Essa é meta, de acordo com os aportes mensais que venho fazendo.... aí estarei com 38 anos. O meu objetivo é atingir antes dos 40, e depois aumentar esse montante com mais tranquilidade até uns 3M, que considero uma quantia confortável pra IF. Como sou servidor público, tenho estabilidade e um longo caminho de trabalho pela frente. Neste mês cheguei à marca dos 500K. Os 100K e os 500K foram bem marcantes, mostram que o planejamento tá dando resultado. Abs

      Excluir
    3. Me parece um ótimo plano! siga firme e forte em direção a ele!
      Abs

      Excluir
  9. Legal ter contado sua historia

    Como fazer para conseguir um aporte salário melhor

    Abraço e bons investimentos

    ResponderExcluir
  10. Legal. Minha história é parecida, só não ganho tanto ainda

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Legal senhor bufunfa! Jajá você chega lá, mantenha o foco!

      Excluir
  11. Trabalho valorizado, renda extras etc = Maiores receitas

    Receitas altas e taxa de poupança agressiva 40% + = Aportes grandes.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que seu plano para o atingimento da IF é o mais realista e o que mais tem haver com pessoas que ganham até uns 3K, que são a maioria dos assalariados brasileiros.
      Ganhando uma renda desse nível só aportando ao máximo para chegar num patamar confortável com relativa juventude.
      Só que acredito que seu planejamento não serve para a maioria das pessoas, já que esses não conseguem aportar tanto.
      O plano é bom para quem mora com os pais e tem a oportunidade de ganhar bem ainda jovem.
      Pra finalizar o que você pretende fazer em termos de investimentos com a queda da RF?
      Com relação a IFM a IF está logo aí.

      Excluir
    2. Boa discussão pessoal!
      Minha opinião: a IF é uma questão de ter persistência para chegar nela. Tenho e tive a oportunidade de focar muito e trabalhar para conseguir um salário bom e assim, ter aportes altos e chegar lá mais rápido. Não acho que esse é o caminho da maioria dos brasileiros, infelizmente.
      Para a maioria das pessoas, o caminho será mais longo, mas ainda acho possível persistir e chegar. Acho que a minha história pode ser melhor aproveitada em termos de como ter foco, dedicação, abrir mão de uma série de coisas para chegar onde se quer do que o exato caminho que percorri...
      Salário é apenas 1 dos fatores, temos muitos outros que influenciam para a chegada até a IF.
      Abs

      Excluir

Obrigada por tornar esse espaço um lugar fértil para troca de idéias! =)