domingo, 19 de agosto de 2018

Não demore muito para começar a viver

E aí amigos, tudo bem?

Estava pensando neste final de semana, demorei muito para começar a viver.

Eu vim de família muito pobre. Pobre  mesmo. Desde pequena eu comecei a observar meu ambiente em minha volta e a reparar como o dinheiro movia (ou não) as coisas. Eu não pedia presentes para meus pais. Eu tinha consciência desde muito nova que eles não tinham condições de me dar muita coisa.

E aí fui crescendo, dando muito valor a economizar o pouco que eu ganhava/tinha. Economizava em todas as oportunidades que eu tinha quando eu ganhava algum dinheiro. Isso quando adolescente. Quando me tornei adulta, fui logo dando um jeito de arrumar um emprego. E continuava dando valor ao dinheiro e economizando.

Aos poucos as oportunidades foram surgindo e eu fui adquirindo alguns itens que me faziam bem. Era algum cosmético aqui, um item de roupa ali, um acessório acolá. Mas eu os usava muito pouco. Usava pouco porque tinha sido uma "luta" consegui-los e eu achava que novas oportunidades não iriam surgir tão rápido. Eu queria "economizar" no uso dessas coisas também.

Lógico que isso se misturou também a um problema de acumulação. Eu acumulava e não usava e já relatei isso em algum post anterior aqui no blog. Eu tinha uma meta de idade: aos XX anos eu vou começar a usar tudo que nunca usei.

Amigos, não me julguem. Quem vem de origem pobre sabe do que eu estou falando. Meu primeiro relógio "de marca", eu nunca vou esquecer. Tenho ele até hoje. Cada celular, cada cosmético importado. Todos os "primeiros" eu me lembro muito bem o quão suados foram.

E eis que o tempo foi passado, os anos foram passando e eu usando esses itens de forma muito comedida, com medo deles "acabarem" e eu não ter condições de comprar outro. A situação ficou tão "normal" para mim, mesmo sendo anormal, que até pouco tempo atrás eu permaneci com essa rotina.

Este ano, com armários e gavetas totalmente lotados, alguns itens fora de moda e outros vencidos, me deparei com a triste realidade: eu não usei as coisas quando eu deveria ter usado. Eu deixei de viver essas experiências e hoje elas não fazem mais sentido.

Final de semana passado joguei fora alguns cosméticos (caros) vencidos. Não usei por medo de não conseguir comprar outro (vamos combinar que sai dessa linha de pobreza há algum tempo e mesmo assim minha mentalidade não mudou). Celulares pararam de funcionar e fui obrigada a trocá-los com o tempo. Os relógios felizmente eu ainda posso usar porque não estão fora de moda.

Porém itens de vestuário (que não me servem ou que não faz mais sentido usar hoje em dia) e maquiagens, são itens que já estragaram. Eles apenas estragaram e eu não usufrui deles. Senti a tristeza de mentalmente eu mesma ter me confundido: guardar algo não vai fazer com que você use aquilo no futuro e ele funcione da maneira como ele está hoje. Por isso, não demore muito para começar a usufruir das coisas.

E foi pensando nisso tudo e tirando algumas coisas velhas de algumas gavetas hoje (eu vou demorar muito, mas muito tempo para fazer uma limpa em tudo que acumulei nos últimos anos), que eu pensei se não deve ter algum leitor jovem do meu blog que passe por algo semelhante. Por quê não dividir este aprendizado com eles? Foi o que eu pensei.

Por isso amigos, se você comprou um perfume de 400 reais e está com pena de usá-lo porque foi muito caro: USE, será muito pior daqui algum tempo você ter que descartá-lo porque ele estragou. Tão triste quanto será você abrir uma gaveta e descobrir que guardou uma peça de roupa que gostava muito e que também foi cara, mas que hoje em dia não faz mais sentido.

A grande lição é: pense muito antes de comprar, mas depois de comprado, use. Use até o fim. Sinta pena de algo ter acabado, mas sinta-se feliz por ter tido a oportunidade de usá-lo até o fim. Um dos meus maiores prazeres hoje em dia é ver algo acabar. E percebi que as coisas demoram muito para acabar e mesmo um serum de 30 ml demora bastante (por que afinal eu tinha tanto medo das coisas acabarem? hoje eu penso).

Vamos viver tudo que há para viver hoje! Não demore...

Abs,
IFM

20 comentários:

  1. Essa postagem me lembra a de alguns noivos que recebem presente de casamento e demoram a usar....tipo jogo de talheres, taças e etc....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É tipo isso, só que não só com presentes de casamento Beto! =/

      Excluir
  2. Cada um com sua característica própria, mas não consigo entender a "pena" de usar alguma coisa, no sentido de que, se algo foi comprado, é porque era necessário, e se era necessário, deveria ser usado. Acho que, no fim, a lição que você trouxe é o que realmente importa: pensar bem antes da compra. Digo, ainda, mais impirtância para a utilidade e valor, menos para a marca e preço. Por exemplo, se uma peça de roupa cai bem e o tecido é bom, qual é a importância de um "jacaré" ou de uma "espada" para indicar a marca?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que quem não tem esse "desvio" psicológico deve ser difícil entender Anon, nem eu sei explicar exatamente...
      Mas concordo com o que você disse no final!

      Excluir
  3. Aqui no país onde moro os árabes são todos milionários, a maioria tem aqueles carros enormes estilo Landcruiser pra cima, o f*d@ é que a maioria tem a mania de deixar o plástico que vem instalado nos bancos de couro tudo por medo de gastar ou sujar. Aí eu pergunto dq adianta gastar uma baita grana com carro de luxo e vai ficar andando de lá pra cá com as costas suadas por conta do banco plastificado?!?!rs E pior, a hora que a pessoa vende o carro quem vai adorar aquele banco novinho é o próximo comprador... como vc bem disse "ense muito antes de comprar, mas depois de comprado, use".

    Sr. IF365

    Blog do Sr.IF365 | Acompanhe meus últimos 365 dias antes da IF e Aposentadoria Antecipada
    www.srif365.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sr IF, se eu te contar que eu deixava o plastico da tela do celular durante um longo tempo (até ele se desgrudar sozinho), você acredita?
      Hoje olho como maluquice, mas entendo eles porque já tive esse pensamento por muitos anos!
      Abs!
      ps: quero muito comentar no seu blog, mas tenho preguiça de logar! rsrs

      Excluir
  4. Olá

    Até por que tudo nesse mundo material é efêmero, e o maior dos sofrimentos é o apego. O dinheiro quando bem utilizado com equilibrio só nos traz beneficios, só temos que aprender a utiliza-lo de forma correta.

    Julgar? jamais, não somos dono da verdade.

    Bons investimentos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu Kspov, estamos em constante evolução, não é mesmo?

      Excluir
  5. Fiz um curso e ouvi a história abaixo que fez todo sentido:
    Havia uma moça que relatava que a mãe dela guardava toda a prataria para usar em uma ocasião especial. Os anos foram se passando e ela não utilizou, pq nunca era uma ocasião especial. Um dia a mãe dela faleceu, um tempo depois o pai se casou com uma moça chamada Patrícia. Esta moça foi visitar o pai e viu toda a prataria na mesa, não teve dúvidas, chamou a Patrícia e disse: "Minha mãe guardava isto para utilizar em uma ocasião especial, você não pode usar isto!" e a Patrícia respondeu: "Especial pra mim é estar todos os dias com o seu pai, então eu vou utilizar sim!". Moral da história: Se vc não utilizar, a Patrícia vai usar!
    Vk

    ResponderExcluir
  6. Eu já fui assim também por longos anos. Quando eu não tinha condições de comprar coisas mais caras. Guardava por muito tempo.
    Anos atrás tive um estalo minimalista. Livrei-me das tranqueiras. Doei várias coisas. Hoje em dia eu raramente compro alguma coisa (não tenho vaidade pra produtos de beleza nem roupas nem perfumes etc). A vida fica mais leve.
    Muito boa sua reflexão. Eu me identifiquei. Passei por isso há muitos anos atrás.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Total Filipe. Estou nessa pegada. Porém, vai levar um tempo para eu me livrar de tanta coisa...aos poucos chego lá!
      Abs!

      Excluir
  7. Seguindo sua linha de raciocínio, eu diria também para não esperar muito para dizer o quanto amamos as pessoas que são realmente importantes em nossas vidas. Esse é um ponto que preciso melhorar. Abraços e bons investimentos.

    ResponderExcluir
  8. Eu também tinha a mesma mentalidade que a sua IFM até o dia que eu caí de moto e vi todo minha vida passar em um piscar de olhos. Sobrevivi ao acidente e a lição que fica é : vamos usufruir da vida e aproveitar sem deixar de poupar, por isso hoje em dia, uso a meta gasto obrigatoriamente 50% do salário e invisto os outro 50%. E gasto mesmo, adoro viajar pra fora, compro perfumes e roupas e uso no talo. Troco todo meu guarda roupa de 2 em 2 anos de tanto usar as roupas que compro e gosto ficam bem desgastadas. Piso no freio quando vejo que estou gastando demais e acelero quando vejo que estou pão duro demais, minha vida mais parece um pêndulo de momentos de extrema aproveitação e de extrema frugalidade. Mas gosto de viver assim =) Se eu morrer pode ter certeza que os outros gastam rapidinho o que levei anos pra juntar, vide esposa do VDC que deve estar se esbaldando na fortuna do marido.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tá certo Anon. Não sei sobre VDC e família, mas com certeza meu dinheiro não seria "honrado" se eu morresse hoje. É o velho equilíbrio que é tão fácil de falar e tão difícil de praticar!

      Excluir
  9. Eu me identifiquei muito com o que você escreveu, eu também não podia ter o que queria quando era criança, sempre via a dificuldade de meus mais, então, quando comecei a trabalhar, também guardava quase tudo o que podia. Só comecei a comprar as coisas que eu gostava quando comecei a ganhar mais mesmo.
    Eu sei muito bem como é, não vou te julgar por causa disso. Se eu conhecesse você pessoalmente, gostaria muito de te dar um abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. =)
      Existe amor na finansfera!
      Que bom que passamos por isso e seguimos evoluindo Anon!
      Sinta-se abraçado!

      Excluir
  10. Vivi muito isso, IFM. Para mim, até comer coisas diferentes eram momentos muito especiais, tanto é que quando comia coxinha entre uns 12 e 15 anos, comia bem aos poucos pra fazê-la durar mais, kkkkk. Acabava que nem sentia direito o gosto da coxinha, mas ficava uns 2 minutos apreciando a oportunidade de poder comê-la! hahaha, hoje em dia ainda tenho alguns problemas, mas estou bem melhor felizmente.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa Unknown! Viver isso com comida é tenso ein?! Mas vc me fez recordar de umas situações como a sua no colégio. Temos que nos policiar, não dá pra viver assim não...abs!!

      Excluir

Obrigada por tornar esse espaço um lugar fértil para troca de idéias! =)